contact us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right.

           

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

Wilde traduzido por Pessoa em jeito de homenagem

Blogue

Wilde traduzido por Pessoa em jeito de homenagem

Estranhar Pessoa

Em jeito de homenagem a Pessoa e Wilde, ambos falecidos a 30 de Novembro (1935 e 1900 respetivamente), publicamos aqui um dos poemas em prosa de Wilde que Pessoa traduziu, mas não publicou, na transcrição de Jorge Uribe:

O QUE FAZIA O BEM de Oscar Wilde, tradução de Fernando Pessoa

Era noite e Ele estava só.
E Ele viu de longe os muros de uma cidade e avançou para a cidade.
E quando se aproximou ouviu dentro da cidade o pisar dos pés da alegria, e o riso da boca do prazer, e o som [alto] de muitas [flautas]. E bateu à porta e alguns dos porteiros abriram-na.
E Ele viu uma casa que era de mármore e tinha adiante belas colunas de mármore. Das colunas pendiam grinaldas e dentro e fora havia archotes de cedro. E ele entrara.
E quando tinha atravessado a sala de calcedónia e a sala de jaspe e chegado à grande sala do banquete, viu deitado num leito de purpura um cujo cabelo estava lavado de rosas e cujos lábios estavam roxos de vinho. 
E Ele passou por traz e bateu-lhe no hombro e disse-lhe “Porque vives tu assim?”.
E o jovem voltou-se, reconheceu-O, e, respondendo, disse: “Mas em tempos eu era leproso e tu curaste-me. Como hei de eu viver senão assim?”.
E Ele saiu da casa e tornou outra vez para a rua. 
E pouco depois viu Ele uma mulher cuja face e vestes eram pintadas e cujos pés calçados de perolas. E atrás dela vinha, lento como um caçador, um jovem com uma capa de duas cores. Ora a face da mulher era como a face bela de um ídolo e os olhos do jovem traziam o brilho da luxuria. 
E Ele seguiu depressa e tocando na mão do jovem disse-lhe “Porque fitas tu essa mulher desse modo?”
E o jovem, voltando-se e reconhecendo-O, disse: “Mas eu em tempos era cego, e Tu deste-me a vista. Para que olharia eu senão para isto?”.
E Ele avançou, correndo, e tocou nas vestes pintadas da mulher e disse-lhe: “Não há outro caminho que seguir senão o caminho do pecado?”
E a mulher voltando-se e reconhecendo-O, riu e disse: “Mas tu perdoaste os meus pecados e a via é agradável”.
E Ele saiu da cidade.
E quando saíra da cidade viu sentado à beira do caminho um jovem que chorava.
E Ele avançou e tocando-lhe no cabelo cumprido, disse-lhe: “Porque choras tu?”.
E o jovem erguendo o olhar e reconhecendo-O respondeu: “Mas eu em tempos era morto e tu ergueste-me dentre os mortos. Que hei de fazer senão chorar?”.